terça-feira, 26 de agosto de 2008

"Diário de Bordo": Canudos - E o barquinho vai...

Nossa sexta seria tranqüila pela manhã, eu conheceria a biblioteca construída pelo IBS, veríamos alguns materiais de reforma e poderíamos fazer um esperado passeio de canoa. Assim que acordei tive uma frustração: vi dois pernilongos por dentro do meu mosquiteiro. Ele não tinha furo algum, muito provavelmente os dois já estavam lá dentro quando eu deitei, o que me fez parecer um idiota tirando um barato dos outros famintos do lado de fora na noite anterior. Sarei minha pseudo-raiva esmagando a dupla dinâmica. O café da manhã seguiu implacável, como sempre, e nós saímos rolando, como sempre. A biblioteca, que nos esperava, foi construída pelo IBS, junto com os moradores, ao lado da escola. Ficou muito bonita, bem abastecida com livros e equipada com uma televisão. Após a visitarmos e checarmos os materiais que compraríamos mais tarde seguimos com nossos amigos para o passeio de canoa, aproveitando o sol da manhã.
O plano que eu e o Luis fizemos era seguir de barco até a região onde está a cidade antiga. Daríamos um mergulho, sem nenhum equipamento mesmo, para tentar enxergar algum resquício da igreja ou muro de alguma constução. O único “apetrecho” que eu levava era um solitário e surrado óculos de natação, que não serviu para nada além de fazer a festa das crianças, que adoravam colocá-lo e pedir para tirarmos fotos.
Chegamos no local, mas não conseguimos enxergar nada. Ali deveria ter uns 7 metros de profundidade e nosso medo de meter a cara em algum tronco ou resto de muro fazia não descermos tão à vontade.
Seguimos então na canoa sabiamente guiada pelo Cristiano, que remava com "know how", para uma ilhota onde havia um marco, simbolizando a área da cidade inundada. Eu e o Luis íamos numa ponta com as máquinas tirando muitas fotos e o Jackson - com sua cueca-sunga - e Quinha na outra, mergulhando a toda hora, o que fazia balançar a pequena canoa e espirrar água nas nossas máquinas.
Atracamos o barquinho na ilhota e fomos recebido por um enorme sapão, que indiferente à nossa chegada continuou parado ao lado da canoa. Talvez ele pensasse:"Vou ficar quieto aqui e quem sabe esses manés passam e vão embora...". Pensou errado, logo o Luis o pegou para "brincar" e a antítese de príncipe seguiu no barco conosco na volta com uma cara mal humorada de quem não queria fazer passeio algum.
Dali navegamos até o Parque Estadual de Canudos, região onde houve os combates entre os sertanejos e o exército republicano. Pela represa se chega a uma região mais preservada do parque, onde não aparecem muitos turistas. Ali se pode encontrar muitos vestígios da batalha ocorrida em 1886-1887. Restos de casas, balas, cartuchos de fuzil, porcelanas quebradas que juntas formam pratos antigos, enfim, muitos objetos que nos transportam até a época da guerra. Parece que podemos sentir a angústia do pobre - e corajoso! - povo massacrado pela intolerância e ignorância da incipiente república brasileira.
Cartucho de fuzil, um dos muitos artefatos espalhados pelo parque de Canudos





Ainda dentro do Parque Jackson me apresentou o fruto do mandacarú. Sempre havia visto nas viagens aquele fruto vermelho preso na espinhosa planta do sertão, porém não sabia que podíamos comê-la e mesmo depois de saber nem imaginava que seria tão gostosa. Tudo bem, o aspecto não é lá tão atrativo e mesmo sua consistência meio pegajosa não chama muita atenção. Porém é muito gostosa! Tem algo de crocante enquanto mastigamos e é levemente adocicada. Olhando de perto lembra - visualmente, claro - um sushi, aquele arroz com gergelim preto. Vale a pena experimentar!
Mais tarde, pra fechar um ótimo dia, só mesmo um lual no bar da Madalena. Ali, com nossos amigos ficamos o começo da fresca noite. Embalados ao som do violão e aos petiscos frescos retirados do açude, uma noite perfeita.
video
Com minha máquina, mesmo com pouquíssima luz, consegui filmar o Cristiano tocando uma música que eu havia conhecido no ano anterior e era louco pra aprender. O vídeo segue aqui...